Refletindo um pouco sobre esta frase do autor, penso que devemos compreender porque tantas as mensagens da busca de afetividade e amorosidade. Quanto mais estudo o comportamento humano, mais fico impressionada com as reações de medo que carregamos uns dos outros.

Penso que o melhor que temos a fazer é amadurecer o nosso próprio sentimento, no sentido de um grande aprendizado.

Aprender aceitar primeiro a nós próprio, buscando a razão de nossa existência, aceitar as nossas dificuldades pessoais verificando que se nos sentimos desamados, já é uma pista para perceber que não estamos nos doando adequadamente, pois a lei da Terra é sábia “e dando que recebemos”.

Eu descobri um grande segredo em minha vida nesse aspecto. Procuro fazer o exercício de cativar a todas as pessoas ao meu redor, contudo existem pessoas que por mais que se faça não se abrem para serem cativados e dessa forma, quando esgoto a minha capacidade de me doar, quando percebo que se continuar insistindo será inconveniente, saio do circuito sem ressentimentos, triste por perceber a condição do outro, porém inteira, pois com a certeza que fiz a minha parte, que dei o melhor de mim, mas quando a situação começa a agredir os meus princípios, devo então antes de qualquer coisa respeitar-me e sair de perto.

Cativar, não é desejar tomar posse, ou ainda invadir os limites da pessoa, mas tornar o individuo especial para você, fazer com que a pessoa se sinta especial nessa relação, sabendo sempre que não somos donos de ninguém e que vai haver o momento da separação, pois essa é a nossa realidade humana, seja qual for a razão, mas um dia inexoravelmente, devemos nos separar.

Lembrem-se do pequeno príncipe, não queria cativar a raposa, porque ele estava de passagem, porém ela afirmou que mesmo assim ele deveria cativa-la, apesar que sabia que iria chorar quando ele partisse, porém ela daria um novo significado a sua vida, que antes era monótona, se ele a cativasse.

É isso mesmo, depois de viver uma experiência amorosa, sem o egoísmo, sem o sentimento de posse, conseguimos sair ilesos e inteiros de cada relação.Na verdade esse grande exercício que devemos fazer de cativarmos um ao outro, será para que possamos ampliar dentro de cada um de nós o sentimento de harmonia e paz.

A compreensão das nossas próprias limitações nos tornará mais humildes e mais parceiros, neste grande aprendizado humano.

O sentimento de egoísmo é muito forte dentro de todos nós, pois é a energia que domina o planeta Terra, e nem nos damos conta dessa realidade, que um dia todos nos separaremos, pela nossa arrogância e necessidade de poder, por essa razão é muito importante vivermos intensamente cada momento, sempre sendo o melhor que podemos a todo instante em tudo e a todos nas nossas ações.

Aprender conviver amorosamente é a meta universal para nossa evolução.

O Egoísmo não permite criar o nosso próprio paraíso, só que ninguém se acha egoísta, porém desconfie de si mesmo sempre, se você esta sofrendo por falta de amor, pode ter certeza que o egoísmo esta na frente.

Você busca outra pessoa para amar e novamente sofre a decepção, acreditando que sempre é o outro que não é bom o suficiente, isto até pode ocorrer, contudo pelo seu padrão de pensamento egoísta, é o que atrai para si mesmo, como um imã.

Talvez as pessoas mais amorosas você afasta de sua vida, pois não as reconhece, ou por egoísmo, ou por medo, ou ainda por rotular o padrão de amor, dando adjetivos que desqualificam o individuo e se perde a oportunidade de no mínimo viver uma grande amizade verdadeira e desenvolver muito mais conhecimento sobre si mesmo, a partir daquela personalidade que desprezou.

Todas as pessoas que passam por nossa existência servem de mestres para nós, todos representam um grande aprendizado sobre nós mesmo. Você não precisa conhecer pessoas para conhecê-las, mas para conhecer-se através dela.

A vida possui uma razão da qual nos foi ocultada por muitas gerações, hoje esta mais aberta a quem deseja aprender e evoluir, os ensinamentos estão todos por ai, basta querer abrir a consciência para um novo aprendizado sobre si mesmo. Tirar a condição de vitima e assumir responsabilidade pelos seus sentimentos.

Ninguém te faz mal a não ser você mesmo. Temos livre escolha para ficar ou sair de cada situação, porém ao sair, saia sem deixar ressentimentos, afetivamente feche os ciclos, como?

Sendo sincero, conversando, se posicionando com o que sente e pensa. Evite usar pessoas como coisas, o respeito é fundamental para que seja respeitado. Evolua, cresça, seja gente, deixe a omissão, participe, comunique-se!

Pergunte-se primeiro:

De quem se esconde? Você se acha melhor ou pior que todo mundo? Você já definiu o que deseja? É posicionado em suas relações, como o pequeno príncipe?

Quando obter essas respostas que virão de sua própria consciência, verá que esta sendo movido por complexos e não por uma força maior que deseja a sua evolução.

Beijos no coração de todos: Sonia Braga Urbano

 

 

::: Indique esta página! :::

 

Todos os Direitos autorais reservados ao site: www.repensar.com.br

 

CrysGráficos&Design