Voltar        

PSICOLOGIA ANALÍTICA

Carl Gustav Jung nasceu em 26 de julho de 1875 (veio a falecer em 1961) na pequena aldeia suiça de  Kessewil .
Apesar de sua primeira escolha foi a de ser arqueólogo estudou medicina na Universidade de Basiléia. Trabalhando com o famoso neurologista Kraft-Ebing  posicionou a psiquiatria como sua carreira.
Começou seus estudos sobre motivação humana nos primeiros anos do século XIX, criando a escola de psicanálise conhecida como psicologia analítica. Jung foi contemporâneo do médico austríaco Sigmund Freud e, no começo, colaborou com ele. Mais tarde, no entanto, começou a elaborar suas próprias teorias, incluindo a exploração dos tipos de personalidade. Segundo Jung, há dois tipos básicos de personalidade que se alternam de forma equilibrada nos indivíduos normais: extrovertida e introvertida. 
Jung denominou sua teoria psicológica como psicologia analítica tanto para determinar a direção de seus conceitos como para diferenciá-la da psicanálise freudiana.
Todas as escolas analíticas, agem na suposição que todo comportamento humano é motivado por aspectos da psique não diretamente acessíveis à consciência,  aspectos esses designados pelo termo genérico “o inconsciente”.
Mesmo assim, Jung acreditava que o inconsciente é constituído pelo inconsciente pessoal (idéias e sentimentos reprimidos que se desenvolvem ao longo da vida de um indivíduo) e o inconsciente coletivo (aqueles sentimentos, idéias e lembranças herdados e compartilhados por toda a humanidade).
Desenvolveu também os conceitos de anima , a parte feminina de um homem, como também o animus , parte masculina de uma mulher.
Na visão junguiana, a saúde ou a doença mental depende do relacionamento funcional alcançado no decurso do desenvolvimento individual entre os processos consciente e inconsciente.
A psicologia analítica é uma psicologia de análise profunda, que investiga as fases do desenvolvimento, a cultura, bem como todo o processo social que envolve o individuo e a criação de técnicas terapêuticas destinadas a readaptação, quando o relacionamento der sinais de deteriorização.
A interação entre o consciente e o inconsciente é importante, não só para a saúde mental, mas também para a realização de toda a atividade criativa, seja ela artística, literária ou cientifica, e dela depende tudo aquilo que Jung considerou como a mais elevada de todas as realizações humanas, que é o desenvolvimento da personalidade, através do qual o individuo se torna um ser humano completo, tanto quanto lhe é possível ser. Chamou isso de “individuação.

Sônia Braga Urbano.
Paulo Godoy

Voltar


Clínica Psicológica Repensar 
R. Ângelo Luiz Salto, 107 São Paulo SP (11) 5523-0436
clinicarepensar@uol.com.br