Voltar        

CONFLITOS NA ADOLESCÊNCIA

  O adolescente  devido ao momento de transição marcante que se encontra, uma vez que deixou de ser criança, mas também não é adulto requer uma grande atenção. Essa situação provoca uma insegurança e conseqüente carência, ocorrendo uma necessidade constante de auto-afirmação. Conflito existencial é a palavra.
Essa carência faz com que o adolescente se despersonalize, vivendo um processo de mente coletiva, influenciando-se facilmente pelos meios de comunicação. Daí a necessidade de usarem tênis e roupas de "grife" por acreditarem assim serem valorizados pela "turma" .
O que se torna mais grave nesse processo são as drogas que estão invadindo até as escolas, atingindo os jovens inseguros e insatisfeitos com a vida. Os pais não sabendo lidar com essa dificuldade cedem a tudo que eles querem, aumentando ainda mais o nível de carência, provocando profundo distanciamento afetivo e total deturpação da realidade.
As escolas preocupam-se em desenvolver o intelecto, deixando de lado o afeto pelo ensino e pela vida.
De maneira geral o ser humano já nasce com uma deturpação da personalidade e de insatisfação pela vida, buscando realizar essa satisfação interna através da vida social, dependendo de uma realização externa para ser feliz, haja visto a busca de poder existente no Planeta.
Na fase da adolescência ocorre uma espécie de estrangulamento no conflito de insatisfação já existente, sendo importante que se compreenda essa característica insatisfatória humana, para que se tenha possibilidade de ajudar o adolescente a sair desse estrangulamento psíquico de forma mais saudável.
Desde a primeira infância devemos deixar a criança criar suas próprias realizações, ensinando-as a refletirem suas atitudes, afim de pouco a pouco construírem uma auto-imagem positiva de si mesmo.
Quando a criança sente-se realizada com suas ações, ela é mais calma e afetiva pois aprende a gostar de si mesmo e dos outros, eliminando o egoísmo, não querendo sempre levar vantagem em tudo e contribuindo com seu meio.
Nesse processo o conflito passa quase desapercebido pois manter-se assumindo as responsabilidades por si mesmo, o levara a buscar sua identidade, através do entusiasmo que desenvolve pelas suas realizações, diminuindo cada vez mais as dependências.
Muitos pais têm a grande preocupação de formarem filhos intelectuais, afim de serem “alguém na vida”, mas isso não é o suficiente para preencher a insatisfação interna natural da raça humana pois somos seres duais e portanto necessitamos integrar as polaridades existenciais. 
Isto se faz, ampliando constantemente a capacidade de auto estima em todas as áreas de nossa existência, principalmente desenvolvendo o campo afetivo, juntamente com todas as atividades sociais, ensinando o vínculo nas relações humanas, independente da profissão escolhida por cada pessoa.
O adolescente será mais feliz quando o adulto tomar consciência de seus próprios complexos, deixando de projetar no jovem as suas frustrações, mas apenas facilitando o processo de desenvolvimento e permitindo que os adolescentes identifiquem e assumam suas próprias emoções.

Sonia Braga Urbano
21.03.2002

Voltar


Clínica Psicológica Repensar 
R. Ângelo Luiz Salto, 107 São Paulo SP (11) 5523-0436
clinicarepensar@uol.com.br